PROGRAMAÇÃO DIÁRIA

MOSTRA COMPETITIVA

LONGA-METRAGEM

Documentário

ver todos os filmes

OLHO NU

Direção: Joel Pizzini | Documentário, cor, 35mm, 101min, RJ, 2012
Elenco:
Ney Matogrosso



DATA E LOCAL DE EXIBIÇÃO

22 de setembro de 2012, 19h
Sala Villa-Lobos do Teatro Nacional Claudio Santoro
Teatro SESC Newton Rossi Ceilândia, Teatro de Sobradinho, Teatro Paulo Autran SESC Taguatinga e Teatro SESC Gama

23 de setembro de 2012, 19h
CCBB - Centro Cultural Banco do Brasil

SINOPSE

A vida-obra de Ney Matogrosso, retratada a partir do conjunto de imagens e sons que o artista reuniu até hoje em sua casa e existentes em arquivos públicos, em contraponto com as performances atuais.Trata-se de um espetáculo-síntese de seu percurso musical que na montagem do filme evoca cenas e situações da história de Ney Matogrosso nos palcos e na sua vida cotidiana. Evitando o tom nostálgico e reverente, Olho Nu busca a dimensão humana e sensível de um personagem cuja história se confunde com a melhor tradição do cancioneiro latino-americano. Como o próprio nome sugere, o filme ousa desnudar o homem por trás da fama, sondando assim as motivações de sua arte, o senso crítico, o caráter libertário e o ideário político que permeia o repertório de Ney, pautado sempre pela coerência e qualidade estética.



CRÉDITOS

Produção executiva: Sara Rocha e Paloma Rocha
Roteiro: Joel Pizzini
Fotografia: Luis Abramo
Montagem: Alexandre Gwaz e Joaquim Castro
Som: Luiz Adelmo e JLS Facilidades Sonoras
Trilha sonora: Ney Matogrosso
Música original: Diversos
Produtora: Paloma Rocha Produções Artísticas
e Cinematográficas Ltda e Canal Brasil S/A



DIREÇÃO

Joel Pizzini
Autor de “filmensaios”, videoinstalações e textos críticos, conquistou dezenas de prêmios nacionais e internacionais. Enigma de um Dia (1996) e Anabazys (2009) representaram o país no Festival de Veneza, assim como Glauces, estudo de um rosto (2001) e Dormente (2005) que concorreram, respectivamente, no Festival de Locarno e Oberhausen. Caramujo-flor (1989) ganhou o prêmio principal no Festival de Huelva (Espanha). Com os longas 500 Almas (2004) e Anabazys (2009) conquistou os prêmios de Melhor Filme, Som e Fotografia, o prêmio Especial do Júri e o de Melhor Montagem, nos Festivais do Rio, de Mar del Plata e de Brasília, entre outros. É conselheiro da Escola do Audiovisual de Fortaleza, professor da Faculdade de Artes do Paraná, curador da restauração da obra de Glauber Rocha e codiretor com Paloma Rocha dos documentários extras dos dvds do cineasta. Foi curador das retrospectivas Faces de Casavetes, Festival Jodorowsky, Estratégia do Sonho, o Primeiro cinema de Bertolucci, e Ocupação Sganzerla. Lançou este ano, Mr. Sganzerla, vencedor do 17º Festival Internacional de Documentários É Tudo Verdade.