JÚRI
E COMISSÕES
DE SELEÇÃO

júri

MOSTRA COMPETITIVA DE
LONGA-METRAGEM

Camila Márdila
Camila Márdila

é atriz, brasiliense, premiada pelo Sundance Film Festival 2015 por seu trabalho em Que Horas Ela Volta?, de Anna Muylaert. Protagoniza o longa Altas Expectativas, de Pedro Antônio e Álvaro Campos, coprodução Globo Filmes e Vitrine Filmes (estreia fev/2017). Participou dos longas O Outro Lado do Paraíso, de André Ristum e Cora Coralina - todas as vidas, de Renato Barbieri. No teatro, trabalhou ao lado dos diretores Adriano e Fernando Guimarães, compondo o elenco das peças Resta Pouco a Dizer e NADA – uma peça para Manoel de Barros, Melhor Elenco pelo Prêmio Questão de Crítica 2012. É atriz da peça A Tragédia Latino-Americana, de Felipe Hirsch e seu primeiro trabalho na TV é a minissérie Justiça, com direção de José Villamarim e Walter Carvalho.

Diana Almeida
Diana Almeida

é uma produtora brasileira-moçambicana que mora e trabalha em São Paulo. Nasceu em Maputo em 1983 e formou-se na Escola de Comunicação e Artes da USP. Em 2006, participou da fundação da Lacuna Filmes, com Daniel Ribeiro, com quem produziu vários curtas. Vale a pena mencionar Alguns Recados (2006), de Thiago Faelli, que participou dos mais importantes festivais brasileiros como os de Brasília e de Gramado; Café Com Leite (2007), de Daniel Ribeiro, que estreou no Berlinale 2008, recebeu o Urso de Cristal de melhor curta na mostra Generation e foi exibido em mais de 80 festivais, tendo recebido 33 prêmios; e Eu Não Quero Voltar Sozinho (2010), também de Daniel Ribeiro, exibido em mais de 100 festivais, recebendo mais de 80 prêmios. Em 2014, Diana lançou como produtora executiva o longa Hoje Eu Quero Voltar Sozinho, também dirigido por Ribeiro. O filme teve a sua estreia mundial na Berlinale, recebendo os prêmios Fipresci e Teddy e exibido em mais de 80 festivais. Em 2015, produziu e lançou o documentário O Discreto Charme de Uma Campeã e atualmente finaliza o longa As duas Irenes, dirigido por Fabio Meira.

João Luiz Vieira
João Luiz Vieira

professor Titular do Departamento de Cinema e Vídeo da Universidade Federal Fluminense, é graduado em Comunicação Social pela UFF, com mestrados em Comunicação pela UFRJ (1977) e em Estudos Cinematrográficos pela New York University (1979), com dissertação sobre realismo, pintura e o cinema de D.W.Griffith, orientada por Jay Leyda. Em 1984 concluiu seu doutorado em Estudos Cinematográficos pela NYU com tese sobre carnaval e paródia no cinema brasileiro, orientada por Robert Stam. Bolsista da Fulbright e do CNPq, fez pós-doutoramento com bolsa CAPES no Department of Film and Television Studies da Universidade de Warwick, Inglaterra (1997). Foi Professor Visitante pela Fulbright no Departamento de Media Arts da University of New Mexico onde lecionou disciplinas sobre cinema e literatura e literatura de em 1996. Em 2002 recebeu bolsa Fulbright para lecionar uma disciplina sobre cinema brasileiro no Departamento de Cinema e Literatura Comparada da University of Iowa. Autor de inúmeros textos, críticas, ensaios, capítulos de livros e livros publicados no Brasil e no exterior como, entre outros, D.W.Griffith and the Biograph Company (1984), Cinema Novo & Beyond (NY: MoMA, 1998) e Câmera-faca: o cinema de Sérgio Bianchi (Portugal, 2004). Co-organizador (junto dos professores Lisa Shaw e Tim Bergfelder) da coletânea Stars in Brazilian Cinema a ser lançada em janeiro de 2017 pela editora Bergham (Londres). Nos últimos dois anos tem se dedicado a pesquisar a chegada dos sistemas panorâmicos no Brasil com ênfase na exibição em salas de cinema. É integrante do Grupo de Pesquisa Modos de Ver, do CNPq, centrado em diversas questões sobre o passado, presente e desafios para o futuro da experiência cinematográfica em salas de cinema.    

Katia Coelho
Katia Coelho

nasceu em São Paulo. Formou-se em cinema na Escola de Comunicações e Artes da USP, com especialização em fotografia cinematográfica. Foi professora na mesma universidade, em cinematografia, e defendeu seu mestrado com a dissertação Tônica Dominante e Kyriê ou o Início do Caos, Cinema Sem Palavras. É sócia da ABC, Associação Brasileira de Cinematografia. Dirigiu a fotografia de vários longas-metragens tendo recebido mais de 30 prêmios em festivais nacionais e internacionais. Com Tônica Dominante, de Lina Chamie, recebeu o prêmio Kodak Vision Award-Woman in Film em Los Angeles, além do APCA, Associação Paulista de Críticos de Arte. Fotografou também o longa que representou o Brasil em Cannes em 2007, A Via Láctea, também de Lina Chamie. O filme participou de cerca de 50 festivais internacionais, tendo recebido um prêmio de fotografia no Festival de Cinema Hispano-Brasileiro. Recebeu por seus trabalhos prêmios no Festival de Brasília e Gramado, entre outros nacionais.

Luiz Carlos Merten
Luiz Carlos Merten

é jornalista, crítico de cinema. Atualmente escreve matérias e críticas no jornal O Estado de S.Paulo. É autor do livro Anselmo Duarte: O Homem da Palma de Ouro, publicado pela Imprensa Oficial. Um livro-depoimento que analisa a obra do ator e diretor de O Pagador de Promessas, filme que conquistou a Palma de Ouro no Festival de Cannes de 1962. Também escreveu Cinema - Entre a realidade e o artifício (2003), que parte dos primórdios do cinema, desde os irmãos Lumière e dos primeiros cinematógrafos para atravessar décadas de evolução da sétima arte. Realiza nesta obra um panorama didático da história cinematográfica através dos diretores, escolas e principais tendências.

Mayana Neiva
Mayana Neiva

é atriz e escritora. Formou-se em teatro pela San Francisco State University na Califórnia e  em letras e filosofia na PUC/SP. Trabalhou com o Teatro Oficina, o Centro de Pesquisa Teatral, CPT, do renomado diretor Antunes Filho e é cofundadora do Núcleo de pesquisa Transfugas, no Grupo de Teatro XIX, em São Paulo. Na Rede Globo, protagonizou A Pedra do Reino, de Luiz Fernando Carvalho e Amor Eterno Amor, de Rogerio Gomes. Na mesma emissora também fez diversas séries e novelas. Na TV Argentina protagonizou a série Encerrados, de Benjamin Avila e Marcelo Muller.  No cinema fez Infância Clandestina, de Benjamin Avila; Os Normais, de José Alvarenga; O vendedor de Passados, de Lula Buarque de Holanda; O tempo que leva, de Cintia Dommit Bittar e Para minha amada morta, de Aly Muritiba. Protagoniza sua primeira produção americana Idée Fixe, de Andrew Bell, em Cannes, maio de 2016. Recebeu prêmio de melhor atriz  em Para minha amada morta, no Festival Guarnicê de Cinema. Atualmente compõe o coletivo artístico de cinema Apartment 929 em Manhattan e ministra oficinas sobre a construção da personagem no audiovisual.  

Paulo Caldas
Paulo Caldas

diretor e roteirista de cinema, publicidade e conteúdo para televisão. Dirigiu seu primeiro filme, Baile Perfumado, em 1996. O filme ganhou naquele ano o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, como Melhor Filme do Júri e da Crítica, e se tornou um marco na retomada do cinema brasileiro, participando de diversos festivais internacionais. Realizou também os filmes O Rap do Pequeno Príncipe contra os Almas Sebosas (2000); o documentário para televisão, exibido no Canal GNT, Sons da Bahia e o DVD Quintal do Semba; foi um dos roteiristas do filme Cinema, Aspirinas e Urubus e dirigiu ainda Deserto Feliz (2007) e País do Desejo (2011). Em finalização, o documentário Saudade, que se desdobra em uma série de oito episódios de 50min para o canal Arte 1. Dentre seus próximos projetos estão o filme Sertão Mar, em pré-produção; o longa SOL-Veredas da Solidão, em fase de desenvolvimento e ainda a série Terroir Brasil – Comida é Arte.

MOSTRA COMPETITIVA DE
MÉDIA E CURTA-METRAGEM

Andy Malafaia
Andy Malafaia

graduado em cinema pela Universidade Federal Fluminense (UFF), dirigiu três curtas-metragens, sendo o último o Eu queria ser arrebatada, amordaçada e, nas minhas costas, tatuada, exibido em mais de 60 festivais internacionais. Foi curador do Curta Cinema entre 2013 e 2015. Atualmente desenvolve seu primeiro projeto em longa-metragem, Mesopotâmia, e coordena o núcleo de cinema autoral da produtora Glaz.

Anna Karina de Carvalho
Anna Karina de Carvalho

é exibidora, jornalista e atua há mais de 15 anos como curadora e diretora de festivais. Iniciou seu trabalho na área de cinema na Suécia, quando foi convidada a integrar a equipe do renomado Stockholm International Film Festival. No ano de 2003 retornou ao Brasil com o FICI – Festival Internacional de Cine Infantil, em parceria com a cineasta Carla Camurati. Desde então, produziu diversas mostras de cinema em Brasília e no mundo: Festival do Minuto, Art Move, Curta Terraço, FIC/Academia de Tênis, Festival de Cinema Brasileiro de Amsterdam e no ano de 2012 fundou, em parceria com o produtor Nilson Rodrigues, o BIFF – Brasília International Film Festival. Dirigiu três curtas: Utropic no umbigo do mundo (prêmio de melhor montagem do Festival de Brasília de 2005, 16mm), Geração Prozac e o suspense Angélica Acorrentada. Atualmente, Anna Karina é sócia do cinema de arte Cine Cultura Liberty Mall. 

Fernando Severo
Fernando Severo

realizador de mais de 40 filmes de longa, curta e média-metragem como diretor, roteirista e montador, vencedores de diversos prêmios no Brasil e exterior, e selecionados para importantes festivais como Locarno, Oberhausen e Clermont-Ferrand. Foi diretor do Museu da Imagem e do Som do Paraná e é professor no Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estadual do Paraná. Participou do Conselho de Cinema do Ministério da Cultura e foi vice-presidente da ABD Nacional.

José Araripe Jr.
José Araripe Jr.

baiano natural de Ilhéus. Artista plástico de formação (UFBA) com premiações em salões nacionais e regionais, e especialização em cinema (UFBA). Diretor de arte dos filmes Superoutro e Samba Riachão. Superoitista da geração Lumbra, com parcerias com Edgard Navarro, Pola Ribeiro e Fernando Belens. Vencedor de prêmios em festivais como Brasília, Recife, Ceará, São Paulo e Paraná. Diretor e roteirista de Esses Moços, Mr. Abrakadabra!, Rádio Gogó e O Pai do Rock. Participação em festivais na Colômbia, Cuba, Espanha, França, Alemanha, Holanda, EUA. Professor universitário de produção de rádio, TV e cinema. Diretor do CTAV/MinC entre 2005 e 2007. Gerente de conteúdo da TV Brasil entre 2005 e 2012. Diretor de programação de conteúdos da TVE de 2011 a 2014. Diretor geral do IRDEB/TVE, de 2014 a 2016.

Nathália Tereza
Nathália Tereza

é graduada em cinema e sócia na produtora Diadorim Filmes. Dirigiu os curta  Eu, Tereza (2009); Te Extraño (2014); A casa sem separação (2015) e A Outra Margem (2015). É produtora e montadora da série Rarefeito, com lançamento previsto para 2017, projeto contemplado pelo programa das TVs públicas pelo Fundo Setorial do Audiovisual. Desenvolve dois longas: Adeus, Alma Selvagem,  produzido pela Glaz, e O Guardador de Águas, roteiro premiado pelo Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Indústria Audiovisual,Prodav04/2014, do Fundo Setorial do Audiovisual.

comissão de seleção

MOSTRA COMPETITIVA DE
LONGA-METRAGEM

Andrea Cals
Andrea Cals

formada em jornalismo pela Universidade Federal Fluminense, trabalha desde então na área cultural. Atualmente é curadora, produtora e apresentadora do Canal Curta!, canal independente de TV por assinatura. É criadora, produtora e apresentadora do programa radiofônico semanal Cinema em Sintonia, especializado em cinema brasileiro. Foi coordenadora e apresentadora por dez anos (2003-2012) da Mostra Première Brasil do Festival do Rio/Rio International Film Festival.

Eduardo Valente
Eduardo Valente

cineasta, crítico e curador de cinema, formado em cinema pela UFF, com mestrado na Universidade de São Paulo. Dirigiu três curtas e um longa-metragem, todos exibidos em distintas mostras do Festival de Cannes, entre outros. Foi editor das revistas de crítica Contracampo (1998-2005) e Cinética (2006-2011). Fundador da Semana dos Realizadores (2009), fez curadoria para vários festivais do Brasil. Entre 2011 e 2016, trabalhou como assessor internacional da Ancine.    

José Geraldo Couto
José Geraldo Couto

formado em história e jornalismo pela USP, é crítico de cinema, jornalista e tradutor. Trabalhou mais de vinte anos na Folha de S. Paulo e três na revista Set. Publicou, entre outros, os livros André Breton (Brasiliense); Brasil: Anos 60 (Ática) e Futebol brasileiro hoje (Publifolha) e organizou o livro Quatro autores em busca do Brasil (Rocco). Participou com artigos e ensaios dos livros O cinema dos anos 80 (Brasiliense); Folha conta 100 anos de cinema (Imago) e Os filmes que sonhamos (Lume). Escreve regularmente sobre cinema para a revista Carta Capital e mantém uma coluna de cinema no blog do Instituto Moreira Salles.    

Marcus Mello
Marcus Mello

um dos editores da revista Teorema, fundada em agosto de 2002. Entre agosto de 2004 e março de 2012 foi titular da coluna de cinema da revista Aplauso (edição 57 a 113). Mestre em literatura brasileira pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e especialista em gestão cultural pela Universidade de Girona, na Espanha. Entre 2000 e 2013, foi programador da Sala P. F. Gastal, na Usina do Gasômetro, uma referência do circuito de exibição alternativa na capital gaúcha. Desde maio de 2013 é coordenador de cinema, vídeo e fotografia da Secretaria da Cultura de Porto Alegre, e atualmente também responde pela direção da Cinemateca Capitólio, inaugurada em março de 2015. Membro da Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema. Tem artigos publicados nos livros Cinema dos Anos 90 (Editora Argos, 2005); Cinema Mundial Contemporâneo (Papirus Editora, 2008); Os Filmes que Sonhamos (Lume Filmes, 2011); Irmãos Coen: Duas Mentes Brilhantes (Caixa Cultural, 2012); Cinema sem Fronteiras – 15 Anos da Mostra de Cinema de Tiradentes: Reflexões sobre o Cinema Brasileiro 1998-2012 (Universo Produção, 2012) e Hitchcock é o Cinema (Fundação Clóvis Salgado, 2013), entre outros.

Pablo Gonçalo
Pablo Gonçalo

é professor de cinema e audiovisual da Universidade Federal da Integração Latino-Americana, UNILA. Possui doutorado pela UFRJ e pela Universidade Livre de Berlim, quando foi bolsista do DAAD, Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico. Sua pesquisa foca nas trajetórias históricas de roteiristas e nos seus diálogos intermediáticos entre o teatro, as artes visuais, a literatura e o cinema. Realizou mestrado em comunicação na UnB e atuou como crítico, roteirista, curador e professor em diversas produtoras e instituições vinculadas à cena cinematográfica de Brasília, como IESB e UnB. É membro da European Network for Cinema and Media Studies, NECS, da Society for Cinema and Media Studies, SCMS, Compós e Socine. É autor do livro O cinema como refúgio da escrita: roteiros e paisagens em Peter Handke e Wim Wenders (Annablume, 2016) e colabora periodicamente com críticas como redator da Revista Cinética. Possui ensaios publicados em jornais como Correio Braziliense e Estado de Minas; nas revistas La Furia Umana, Journal of Screenwriting, REBECA, Galáxias, Modo de Usar & Cia; e nos livros Visualidades hoje (EdUFBA, 2013); História em quadrinhos: diante da experiência dos outros (Horizonte, 2012) e Paulo Emílio Salles Gomes: o homem que amava o cinema e nós que o amávamos tanto (FAC, 2012).

MOSTRA COMPETITIVA DE
MÉDIA E CURTA-METRAGEM

Ana Arruda Neiva
Ana Arruda Neiva

produtora, curadora e programadora, com experiência em cerca de 50 mostras e festivais de cinema. Idealizadora e coordenadora do Curta Brasília - Festival Internacional de Curta-Metragem, é sócia-diretora da Sétima Produções Culturais. Tem se dedicado a projetos e parcerias com outros países com foco em audiovisual, educação, comunicação, tecnologia e novas linguagens. 

Daniel Queiroz
Daniel Queiroz

nascido em Belo Horizonte, foi programador do Cine Humberto Mauro, diretor de audiovisual da Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais e coordenador de programação do Festival Internacional de Curtas de Belo Horizonte. Atualmente é programador do Cine 104 e do festival Semana dos Realizadores.

Eduardo Valente
Eduardo Valente

cineasta, crítico e curador de cinema, formado em cinema pela UFF, com mestrado na USP. Dirigiu três curtas e um longa-metragem, todos exibidos em distintas mostras do Festival de Cannes, entre outros. Foi editor das revistas de crítica Contracampo (1998-2005) e Cinética (2006-2011). Fundador da Semana dos Realizadores (2009), fez curadoria para vários festivais do Brasil. Entre 2011 e 2016, trabalhou como assessor internacional da Agência Nacional de Cinema – Ancine.    

Marisa Merlo
Marisa Merlo

graduada em cinema pela Faculdade de Artes do Paraná, Marisa Merlo é sócia, desde 2007, da empresa Grafo Audiovisual, onde atua como produtora executiva dos filmes da casa, dentre eles os longas-metragens Para minha amada morta (2015, prêmio do Festival de Brasília do Cinema Brasilero) e A gente (2013) e os curtas-metragens Pátio (2013) e A fábrica (2011). É também idealizadora do Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba, onde atua como diretora, programadora e produtora desde 2012.

Salomão Santana
Salomão Santana

curador e programador de cinema. Realizou os curtas A Curva (2007); Jarro de Peixes (2008); Matryoshka (2009) e Alguém no futuro (2013), exibidos em mais de sessenta festivais nacionais e internacionais. Trabalhou como curador do Cinema do Dragão/Fundação Joaquim Nabuco, em Recife, e foi responsável pela programação de reinauguração do Cineteatro São Luiz, em Fortaleza. Em 2016, fundou a Celeste, distribuidora e agência de filmes brasileiros e estrangeiros.

júri

MOSTRA BRASÍLIA - TROFÉU CLDF

MARCELO LYRA
MARCELO LYRA

professor e crítico de cinema, formado em jornalismo pela PUC-SP, atuou como crítico de cinema nos jornais O Estado de S. Pauloe Jornal da Tarde e colaborador de publicações da área de cinema, como Revista de Cinema, Revista Ver Vídeo, Jornal do Brasil, Revista do Memorial da América Latina, revista Bizz e outros. É autor do livro Cinema Como Razão de Viver. É curador de mostras de cinema e participa de comissões de seleção e júri de festivais de cinema. 

MARIA CEIÇA
MARIA CEIÇA

atriz, cantora, produtora e apresentadora carioca, com respeitável carreira no teatro, no cinema e na televisão, é formada pela Escola de Teatro Martins Pena, atuou em várias novelas da Rede Globo e da Rede Record, em mais de 15 peças de teatro e vários filmes, entre os quais importantes e premiadas produções brasileiras e internacionais. Como apresentadora, está desde 1997 na TV Escola, canal de educação dirigido aos professores e alunos das escolas públicas do Brasil. Foi superintendente da Igualdade Racial, na Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos do Estado do Rio de Janeiro e, como cantora, fez duas turnês com shows musicais.

PAULO MORAES
PAULO MORAES

professor de direção e roteiro do curso de fotografia e cinema do IESB, é formado em artes cênicas pela Faculdade Dulcina de Moraes e mestre em educação pela UnB. Autor de peças de teatro e roteiros, atua na formação de gerações de cineastas.

comissão de seleção

MOSTRA BRASÍLIA - TROFÉU CLDF

Bita Carneiro
Bita Carneiro

doutora em história pela Universidade de Brasília, atua como pesquisadora e professora na Universidade Federal de Uberlândia, participou da equipe de organização de várias edições do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro e da programação do Cine Brasília, foi consultora de planejamento e ações culturais de organismos internacionais. Como fotógrafa, desenvolveu trabalhos para catálogos artísticos para cinema, literatura e música.

Fernando Adolfo
Fernando Adolfo

membro da Academia Brasileira de Cinema, produtor cultural integrante de várias comissões de seleção e de júri de festivais nacionais de cinema. Fernando Adolfo fez parte da equipe de criação do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro em 1965, do qual foi seu coordenador em dezenas de edições. Também foi diretor do Polo de Cinema e Vídeo do Distrito Federal e programador do Cine Brasília.

LIANE MÜHLENBERG
LIANE MÜHLENBERG

jornalista, cinéfila, produtora cultural com atuação e experiência de mais de 50 anos na área de cinema, com ações transversais nas áreas de teatro, literatura, música, artes plásticas, dança e circo e criação e coordenação da companhia brasiliense Nós No Bambu.

Lucas Rafael
Lucas Rafael

editor e produtor de cinema, atuou em programas de TV, comerciais, vinhetas, vídeos institucionais, produção de mais de 15 filmes digitais com exibição e premiações em festivais e mostras audiovisuais com curtas e videoarte. É membro do Colegiado de Arte e Tecnologia do DF.

Ulisses de Freitas
Ulisses de Freitas

jornalista com especialização em cinema, cultura e criação, trabalhou em jornais brasilienses e foi editor do extinto e destacado site Candango. Há mais de vinte anos atua como crítico, palestrante, curador e divulgador de mostras e festivais de cinema em Brasília.

Tag3 - Desenvolvimento Digital